Anatomia do Olho Humano


O olho é um órgão maravilhoso eficiente e complexo. Produz imagens coletando e processando os raios de luz refletidos das superfícies de tudo que nos cerca. Tão logo toque nossos olhos, as pupilas reagem, contraindo e dilatando-se. Uma vez que a luz passa através das pupilas, ela é dirigida pelo cristalino ao centro de transmissão no fundo do olho, conhecido como retina. A retina transforma as imagens claras em impulsos elétricos codificados que viajam até o cérebro, onde são registradas, avaliadas e tratadas em um instante. O

Olho e o cérebro trabalham juntos para formar a luz em imagem através de um processo interno de refração e de magia eletroquímica.

Normalmente o globo ocular é aproximadamente esférico, e tem três membranas, ou camadas, e três líquidos orgânicos (humores). A camada externa é uma membrana fina e flexível, que mantém a forma do globo, é chamada esclerótica, e forma o que é conhecido como o “branco do olho”, e inclui os quatro quintos da parte da frente da camada externa, o restante um quinto da parte frontal é a córnea, um disco transparente unido à esclerótica como um vidro de relógio é encaixado ao seu estojo.

A camada seguinte que fica contra a face interna da esclerótica é cheia de vasos, camada coróide.

A coróide é composta de uma rede de vasos sanguíneos e é constituída de uma camada de pigmentos, cuja função é absorver o excesso de luz.

A íris que forma uma fina cortina atrás da córnea, dá ao olho uma cor especial e em grande extensão sua beleza. A cor da íris em recém-nascidos é azul, e as cores diferentes que aparecem mais tarde são devidas à adição de maior quantidade de pigmentos escuro. A cor está normalmente mais ou menos em uniformidade com a cor geral do indivíduo.

A pupila é simplesmente uma abertura no centro da íris, e parece preta por causa da escuridão no interior do olho. Através dela os raios luminosos, vindos de um objeto, devem passar. Sob a influência da luz a pupila tem o poder de se contrair ou de se expandir, e certas drogas, tais como opium e belladonna, fazem-na contrair e dilatar artificialmente por longos períodos. As pupilas de gatos, tigres e outros animais parecem brilhar no escuro, e por muito tempo pensou-se que este fenômeno era devido a alguma forma de fosforescência, mas agora é sabido ser meramente uma reflexão da córnea.